final de ano

Dezembro chegou e, com ele, os preparativos para as tradicionais festas de final de ano. Selecionamos abaixo curiosidades sobre alguns dos alimentos que não podem faltar nas ceias de Natal e Ano-Novo.

Bacalhau: por ser uma das principais comemorações religiosas da Igreja Católica, o Natal divide com a Páscoa as estatísticas de período de maior consumo de bacalhau. Aqui no Brasil, onde é muito consumido especialmente pelos descendentes de portugueses, é protagonista de deliciosas receitas.

Chester: para quem não sabe, o chester não é um peru reduzido, nem um animal mítico, mas sim o resultado do cruzamento de várias espécies de frango. Outra curiosidade é que ele foi criado nos anos 80 como uma alternativa mais barata ao peru.

Comida agridoce: misturar frutas com comida é uma tradição influenciada por costumes indígenas e africanos. Frutas cristalizadas e uvas-passas têm inspiração na culinária dos países mediterrâneos.

Lentilha: por se assemelhar a moedas, acredita-se que comer lentilha na virada do ano ajuda a ganhar dinheiro e ter um ano próspero. Dizem que esse costume chegou ao Brasil com os imigrantes italianos.

Panetone: essa iguaria também surgiu na Itália, mais precisamente em Milão, por um erro de um assistente de padeiro chamado Toni, que se confundiu ao colocar, na massa de um pão, o recheio de uma torta. Daí o nome: "pane di Toni."

Pernil: tradição que também tem origem europeia. Por aqui dizem que comer carne de porco na passagem de ano faz a vida ser empurrada para a frente. Por outro lado, deve-se evitar comer aves como peru e frango, porque elas ciscam para trás e, portanto, representam retrocesso ou atraso de vida.

Peru: alguns relatos apontam o ano de 1525, na Inglaterra, como o primeiro em que o peru teria sido servido como prato principal na ceia natalina. Há também indicações de que o peru só tenha se popularizado no Natal depois de 1621, ano em que o peru selvagem criado pelos índios mexicanos passou a ser preparado em comemoração ao Dia de Ação de Graças (Thanksgiving Day), um dos feriados mais importantes do calendário dos Estados Unidos.

Rabanada: é uma tradição europeia que teria surgido como alternativa para aproveitar os restos de pão duro, que eram jogados fora. Há relatos de que a origem da receita seria espanhola, mas outros acreditam que ela seja uma incorporação de hábitos franceses. Seja como for, as rabanadas chegaram ao Brasil por influência dos portugueses.

Romãs: para atrair dinheiro, a tradição manda comer sete grãos, fazer um pedido para cada um deles e guardar as sementes, já secas, na carteira até o próximo Ano-Novo. As sementes de romãs também simbolizam fertilidade.

Uvas: também são usadas para atrair dinheiro e garantir fartura de alimentos. Dizem que o ideal é comer 12 uvas, ou seja, uma para cada mês do ano.

Aqui no Kinjo Yamato você encontra esses alimentos e/ou ingredientes para preparar as delícias típicas das ceias de final de ano. Aproveitamos para avisar a todos que não abriremos no dia 25 de dezembro (segunda-feira, dia de Natal).